Uma conversa bacana com André Maia, produtor da banda e incentivador da cultura potiguar!

Quem está por trás da banda Plutão Já Foi Planeta?

Perfil: André Maia

Filho de bailarina, formado em direito, André cresceu inserido na arte e cultura potiguar. Ainda novo, morou fora do país, e ao retornar a sua terra natal, aflora nele a ideia de abrir um restaurante. Como o espaço do qual dispunha era perfeito para um bar, assim nasceu o Ateliê Bar, onde abre portas para talentos potiguares.

A partir do bar, ele começa a se envolver mais com os músicos locais, porém sem pretensão de produzir algum deles. Até que aparecem dois integrantes da banda cover “Beto Rockfeller” e insistem para tocar no bar, conseguem, e pedem para que o André se torne produtor deles e de uma segunda banda autoral: Plutão já foi Planeta. Depois de muita insistência dos integrantes das bandas, ele aceita e as convida para tocar no Ateliê, onde chamam atenção do público pelo nome e qualidade do som.

O produtor começa a se envolver com outros projetos e assim conhece as políticas culturais, construindo assim seu ponto de vista sobre as leis, órgãos e autoridades:

É uma parte bem complicada, mas existe! Sempre são os mesmos artistas que passam nesses editais e não tem muito espaço para bandas e cantores novos. E eu acho que deveriam ter editais que incentivasse de verdade a “galera nova” para que os que já estão aí, tivessem um “Opa, está chegando gente nova” e melhorar e sair da mesmice. E acho que muitas pessoas reclamam que os editais são burocráticos, mas existem editais de outros estados perto que são mais simples. E fica essa questão “Por que tem que ser tão burocrático? Será que é para dificultar? ” Não sei. É de se pensar se isso está funcionando pra Natal. Temos uma secretaria para nos representar e ela representa o outro lado. É de se pensar. ”

Ao abrir as portas para os artistas e produtores que fomentam cultura na cidade, passou a conviver com a cultura, soube da qualidade e quantidade de bandas que Natal proporciona à população e que a mesma não reconhece:

“O cenário cultural de Natal sempre foi bom, sempre tivemos bandas incríveis como Jane Fonda, Oficina, Alfândega, General Junkie (Dusolto). E hoje temos uma geração de bandas incríveis como o Android Sem Par, Mahmed, Far From Alaska, Luiza Guedes, Camarones. Bandas da gente ganhando festival em Cannes! Quem já pensou num negócio desses? A Natália sempre fala que não adianta só reconhecimento e que antes de reconhecer, você precisa conhecer! E para as pessoas chegarem para conhecer é difícil. Você tem que se fazer conhecer.”

Por isso, viemos conhecer melhor o André Maia e parabenizar o trabalho já reconhecido dele e da banda. E saber que atrás de uma “Superstar”, existe um grande produtor e crédulo da cultura nordestina e da música potiguar.

 

Os planos futuros do produtor, é fazer o Ateliê funcionar como incubadora para que apareçam coisas novas. Já com Plutão, é terminar o CD, levar a música potiguar para o Brasil e fazer com que o Rio Grande do Norte respire a nossa música.

Todo o conteúdo publicado nesta seção, é de inteira responsabilidade do seu autor. A Agenda Natal não necessariamente concorda com as opiniões aqui expressas e não impede a liberdade de expressão de cada pessoa que colabora com o site.

Natal Tatoo